COMPARTILHE
Share on Facebook
Facebook
Share on LinkedIn
Linkedin

O Banco utilizava planilhas e sistemas para extração e coleta de dados, o que não era mais viável diante do volume de informações. Feita a automatização, foi possível entregar resultados analíticos e direcionados ao negócio

 

Perfil

O Banco Votorantim é atualmente um dos maiores bancos brasileiros em ativos e conta com uma base de acionistas robusta, formada por uma parceria estratégica entre o Banco do Brasil, maior instituição financeira do país, e o Grupo Votorantim – um dos maiores conglomerados privados da América Latina.

Fundado em 1988 como uma distribuidora de valores mobiliários (DTVM), o Banco Votorantim S.A. passou a operar como banco múltiplo a partir de 1991.

Historicamente, atuava principalmente nos segmentos de atacado, tesouraria e investimentos. Nos últimos anos, o Banco Votorantim tem crescido e ampliado seu escopo de atuação, buscando aumentar sua base de receitas e ativos por meio de um portfólio diversificado de negócios, internamente classificados em Atacado e Varejo.

Site: www.bancovotorantim.com.br

 

Situação

Em 2017, havia um cenário complexo, no qual o banco utilizava diversas planilhas e sistemas para extração e coleta dos dados. Este cenário demandava grande esforço manual e muito tempo. A necessidade de acompanhar novas tecnologias, conectando-se às mais fontes de dados, através de logs e bancos de dados dos produtos, para ampliar a abrangência e atuação da área, demandava aumento e esforço do time. Com o crescente volume de informações, já não era mais possível suportar estes dados em planilhas, até então utilizadas para consolidar, ajustar e projetar os dados. 

Solução

Foi realizada a implementação do Predictor. Com ele, foi possível automatizar as coletas, instrumentando robôs para carga e limpeza dos dados. A ferramenta possibilitou a centralização da informação, com isso conseguiu-se ampliar a abrangência das tecnologias e componentes acompanhados, além de reduzir o esforço operacional, direcionando a atuação do time para entregas cada vez mais analíticas e com foco no negócio.

Para viabilizar a implementação, que durou em torno de 03 meses, foram necessários seis funcionários: três operação, um projeto, um de banco de dados e um gestor. O investimento do banco gerou em torno de R$ 450 mil.

Benefícios

Podemos citar alguns ganhos:

  • Identificou-se rapidamente R$1 milhão em oportunidade sobre disco ocioso em bases de dados;
  • Ampliou-se em 300% a atuação com o suporte realizando FUP semanal sobre os itens acompanhados;
  • Reduziu-se de 13 para 1 dia a composição do documento executivo apresentado mensalmente;
  • Hoje é possível projetar toda a infraestrutura em menos de 24 horas.

Além disso, houve redução de quadro de funcionários, cerca de 547 horas mês e redução de horas extras.

Fala, CIO!

“Como estratégia de atuação, mapeou-se todos os processos manuais, os quais foram priorizados e automatizados de acordo com tempo e esforço de entrega, agregando eficiência a partir da primeira atuação. Atualmente o Banco Votorantim possui: 3.950 itens de configuração, distribuídos entre data center, facilities e infraestrutura e servidores; 1.338 servidores; 21.679 file systems, distribuídos entre 12 frames; 2,76 peta bytes; 82 instâncias de banco de dados, que possuem mais de 2.500 componentes coletados; mais 1 milhão de registros armazenados por dia, que incrementam uma base histórica superior a 3 anos. Hoje, projetamos 100% deste parque em menos de 24hrs, prevendo 730 dias a frente. Nos últimos 6 meses, realizamos mais 1.331 recomendações preventivas, evitando incidentes em produção derivados de tendência de crescimento, mudança de comportamento influenciadas por demandas de negócio ou sistêmicas e desvios por causas adversas. Essa atuação nos garante um Índice de 99,13% de eficiência.” Marcelo Maylinch, Coordenador de TI – Capacity Planning e Projetos de Infraestrutura no Banco Votorantim.